300x250 AD TOP

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Encontrado em: ,

Trânsito - Será que a faixa é mesmo do pedestre?

Por Márcia Pontes

Frequentemente em nossa cidade, em algum lugar, alguma pessoa é atropelada no trânsito. Muitas, em cima da faixa de pedestres. Já tivemos, inclusive, mortes de crianças, idosos, cegos e até cadeirantes quando estavam atravessando a rua.

Imagem: Reprodução
Todo atropelamento é violento dada a fragilidade do corpo humano numa colisão com o automóvel ou motocicleta. Falar sobre o atropelamento dos mais frágeis no trânsito é enfiar mais uma vez o dedo da sociedade numa ferida aberta e difícil de tratar.

Por um lado o atropelamento choca por se tratar do corpo humano com toda a sua fragilidade colidindo violentamente contra a caixa de lata que é o veículo. Num primeiro momento a gente imagina que pudesse ser alguém de nossa família: nosso filho, nossa mãe, nosso pai ou nosso avô.

Em acidentes deste tipo a primeira coisa que as pessoas buscam é o culpado e muitas vezes a violência de um acidente como esse faz as pessoas julgarem de forma precipitada, inflamadas pela emoção e pela indignação. Muitas fazem da boca a trombeta do anjo vingador, mas não é bem por aí, leitores!

Assim como há motoristas que vem dirigindo distraídos, ignoram a faixa de pedestres e não reduzem a velocidade próximo a esses locais também há o pedestre que se atira de forma teimosa, apressada e desafiadora em cima da faixa provocando o acidente.

Não se trata aqui de julgar nem o pedestre nem o motociclista, pois isso será feito, com certeza, nas instâncias certas para cada caso. Trata-se de chamar a sociedade à responsabilidade nos acidentes deste tipo partindo da análise e da reflexão das circunstâncias, do nosso comportamento no trânsito e do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) que todo motorista e todo pedestre tem a obrigação de conhecer e respeitar para evitar acidentes. Pelo menos naquilo que tange aos autocuidados necessários.


O pedestre idoso e outros de mobilidade reduzida

Imagem: Reprodução
Os pedestres idosos tem algumas características que exigem a nossa atenção na vida e principalmente no trânsito: idosos são mais lentos para caminhar ou fazer travessias; aos 65 anos eles já enxergam 80% menos que uma pessoa de 30 anos; tem dificuldades para reconhecer objetos em movimento; o campo visual e a visão periférica são curtos. Isso pode fazer com que um pedestre idoso tenha dificuldades para discernir as cores da sinaleira.

A audição também já está comprometida para frequências mais altas, o que faz com que eles não ouçam a buzina de alerta. A maioria dos idosos morre em acidente de trânsito e os que sobrevivem raramente se recuperam. As quedas na velhice vem acompanhadas de traumas e fraturas importantes, tanto que o pedestre atropelado pela motocicleta bateu a cabeça e morreu, tipo clássico de traumatismo craniano seguido de parada cardíaca em idosos.

Crianças tem campo visual mais curto; tem dificuldades para perceber a aproximação do veículo epor terem estatura baixa não enxergam o perigo como os adultos.

Gestantes, cadeirantes, pessoas que caminham com auxílio de muletas e andadores, ou mesmo as mamães que empurram os carrinhos de bebê tem mobilidade reduzida e isso precisa ser levado em conta no trânsito.


O que se acha o dono da faixa

Imagem: Reprodução
Tratando-se dos pedestres de modo geral, ainda se percebe que na briga por espaços e preferências no trânsito tem muito pedestre que só enxerga os seus direitos, ignorando os deveres e agindo como se a obrigação de evitar acidentes fosse só do motorista. Ledo engano! A obrigação de cuidar da própria vida é individual, começa primeiro por si próprio e depois sim, tem caráter coletivo e solidário.

Muita gente vai concordar comigo que tem pedestre que acha que a faixa de segurança é deles: só falta abraçar a faixa e levar para casa! É aquela coisa: “eu estava em cima da faixa e o motorista que se dane!” Mas não é bem assim!

Num trânsito de fluxo rápido como o da Rua 7 de Setembro e Rua das Missões, dentre outras, parar bruscamente para o pedestre atravessar potencializa o risco que vai de uma colisão traseira até o de um engavetamento.

Mas, isso não é desculpa para se desrespeitar a vida no trânsito. Há que se ter bom senso tanto da parte dos motoristas quanto dos pedestres.


O que diz o Código de Trânsito sobre a travessia de pedestres?

Antes de tentar apontar dedos e achar culpados há que se observar o que diz o CTB em seu artigo 69: para cruzar a pista de rolamento o pedestre deverá tomar precauções de segurança levando em conta a visibilidade, a distância e a velocidade dos veículos. Na travessia da faixa de segurança deverá obedecer as indicações das luzes e aguardar que o semáforo ou o agente interrompa o fluxo de trânsito. Resumindo: só atravesse na faixa se o sinal estiver verde.

Imagem: Reprodução
Nesse ponto, o artigo 70 do CTB põe em xeque a qualidade das campanhas educativas de trânsito referentes à faixa de pedestres que só dizem que a preferência é do pedestre na faixa e não esclarecem que ele perde a preferência se desrespeitar o semáforo. Os pedestres tem sim prioridade de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica.

No caso de pedestres idosos, considerando as dificuldades e limitações próprias da idade, é comum que eles iniciem a travessia porque viram os carros parados no semáforo. Como tem dificuldades de avaliar distâncias, velocidade, movimentos e por precisarem de mais tempo para concluir a travessia, também é comum que o semáforo abra para os carros enquanto o pedestre idoso ainda não concluiu a travessia. É muito importante sabermos disso.

Mas aí entra o que o diz o parágrafo único do artigo 70, que diz que onde houver semáforo a preferência continua sendo do pedestre mesmo que ele ainda não tenha atravessado a faixa. Detalhe: mesmo em caso de mudança do semáforo liberando a passagem dos veículos.

O fato é que em qualquer local que saibamos que exista uma faixa de pedestres, independente de preferência prevalece mesmo é acreditar que, assim como atrás de uma bola vem uma criança, numa faixa de segurança sempre virá um pedestre. Daí não precisa de Código para dizer que o motorista deve redobrar os cuidados, reduzir a velocidade e se antecipar para evitar o atropelamento.

Imagem: Reprodução
Para lembrar quando for atravessar na Rua 7 de setembro e em outras ruas da cidade: o pedestre não é dono da faixa! Não pode sair correndo na frente dos carros mesmo em cima de uma faixa onde não tem semáforo e ainda mais em via rápida.

A responsabilidade no trânsito é de todos: motoristas e pedestres! Estamos fazendo a nossa parte? Estamos considerando as dificuldades de idosos, gestantes, cadeirantes e outras pessoas de mobilidade reduzida?

Pedestres e motoristas tem deveres e responsabilidades no trânsito e conhecê-las é dever de cada um. 


4 comentários:

  1. Muito boa a matéria, realmente esse é um dos acidentes que vem crescendo vertiginosamente, ações de educação no transito devem ser veiculadas com mais veemência, pois motoristas também fora do volante, são pedestres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pena que em nossa cidade as autoridades que fazem a gestão do trânsito não investem em campanhas educativas e preventivas que levem, acima de tudo, informação às pessoas. Há município brasileiros com menos de 40 mil habitantes que investem em campanhas sérias, que tem uma política pública bem definida e sustentável para o trânsito. As pessoas não respeitam o que não conhecem e nem todos os pedestres sabem que tem deveres estabelecidos no CTB. Campanhas que enfatizam que a faixa é do pedestre e pronto precisam ser revistas. Mas, nós vamos chegar lá, Walner. Abraços. Márcia.

      Excluir
  2. Hoje fui mandada tomar no cu por um pedestre sem o minimo de educação. Sinal aberto pra mim assim que virei a direita, o jovem casal ,vamos chama-los assim, desfilando sobre a faixa cujo sinal estava FECHADO pra eles. Depois falam só de motoristas. Os pedestres são os santos, por isso eles fazem o que querem sobre as faixas. e o motorista sempre leva a culpa. Está na hora desse código fazer alguma alterações. Nem sempre os motoristas conseguem parar o carro paras os "EDUCADOS" pedestres atravessarem. Os pedestres poderiam esperam um pouco também. Ou, então , colocar sinaleira pra eles, mas infelizmente nem todos os pedestres sabem o que é isso. Devem ser todos ignorantes. coitados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Entendo perfeitamente seu ponto de vista e sua revolta (digamos assim) com a falta de educação de muitos pedestres. Agradeço também pela sugestão de postagem e por nos ajudar a ampliar o foco dos debates sobre segurança e comportamento humanizado no trânsito. Escreverei especificamente sobre isso a partir de seu comentário. Muito obrigada! Márcia Pontes.

      Excluir