300x250 AD TOP

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Encontrado em: , ,

Política - Entrevista exclusiva com Ivan Naatz sobre "aumento do lixo".


Por Fabiano Uesler
(Clique nas imagens para ampliar e clique em continuar lendo para ler a matéria na íntegra) 

Imagem: Reprodução
Em primeiro lugar Boa Tarde. O Todo dia Blumenau acredita que toda história tem dois lados e que para bom entendimento todos os lados devem ser ouvidos de maneira objetiva e imparcial, por isso procuramos o Vereador Ivan Naatz para uma entrevista sobre a votação do projeto de lei que aumenta a tarifa da coleta de lixo em Blumenau. Segue a conversa:
TdB: Senhor Naatz, qual foi motivo que o levou a votar contra o projeto de lei sendo o senhor da bancada governista?

Ivan Naatz: Na verdade o projeto apresentava equívocos jurídicos que exigiam maiores esclarecimentos do SAMAE. A planilha da justificação do reajuste necessárias a autorização legislativa estava incompleta além de inexistir manifestação da AGIR a agencia reguladora sobre o tema. Sou o relator da CCJ deixar passar o projeto sem estas observações seria irresponsabilidade da minha parte, ainda sendo advogado. 

TdB: Porque não houve uma análise sobre o impacto que o aumento causará à população Blumenauense?

Ivan Naatz: Como disse as planilhas estavam incompletas. Sequer era possível identificar o fator unitário do CG – Custo de Gerenciamento que sofreu 50% de reajuste.
Imagem: Reprodução

TdB:O projeto não poderia ser votado em 2014?

Ivan Naatz: Sim, porém, respeitando o princípio da unidade só entraria em vigor em 2015.

TdB: O Senhor afirmou que os colegas do PSD teriam se comprometido a rejeitar o projeto, mas não seguiram o acordo na hora da votação. Porque o PSD não cumpriu com o acordado?

Ivan Naatz: Tínhamos duas situações (1) devolver o projeto para correção pelo executivo e vota-lo na sexta. (2) rejeita-lo de imediato. Os vereadores do PSD em votação nominal disseram que o projeto poderia ir ao plenário sem as correções porque “eles” votariam contra a matéria. Os votos do PT + PP + PSD seriam suficientes para remetê-lo ao arquivo, Então afim de poupar tempo e desgaste, o projeto foi ao plenário, tendo os vereadores do PSD votado pela aprovação do projeto o que foi considerado uma traição.

TdB: O Senhor deve apoiar o governo Napoleão Bernardes em 2014?

Ivan Naatz: Estarei na independência. Sem lado. Pretendo ser a pedra no sapato do Napo.

TdB: O PSD assumiu a favor do SAME contra o sucateamento, porém isso não deveria ser feito com mais cautela pra não sobrecarregar a população?
Imagem: Reprodução
Ivan Naatz: Esta é uma pergunta que deve ser feita ao PSD. A turma do tapete negro ou aos cassados.

TdB: Quais seus próximos passos após deixar o cargo de líder do governo? Deve em 2014 fazer oposição ao atual governo por conta deste episódio e de outros como do aditivo da Foz do Brasil?

Ivan Naatz: Minha posição, como dito será de independência. Quanto ao termo aditivo da FOZ já disse no meu relatório ... ela não tem direito a receber o valor por falta de autorização legislativa e má-fé processual administrativa.

TdB: O Governo Napoleão Bernardes teve em 2013 um ano conturbado, isso se deve à inexperiência do prefeito ou ás suas alianças políticas?

Ivan Naatz: Trata-se de um governo imaturo.

Agradeço ao Sr Naatz por nos conceder a entrevista e concluo que nada do que disse em matérias anteriores muda. O atual governo tenta com esta jogada conseguir maioria na câmara e deve consegui-lo em 2014, porém sua popularidade despenca vertiginosamente, se é que havia alguma ainda. Naazt e o PT devem ser oposição neste próximo ano já que em 2013 estavam em cima do muro em diversas situações. Quando Naatz  afirma que respeitando o princípio da unidade só entraria em vigor em 2015 percebemos que todo o circo foi armado para que o aumento entre em vigor o quanto antes.
Nos resta como população encarar mais um aumento de serviço público e preparar nossos bolsos. Acredito que este governo não terá sobrevida nas próximas eleições a não ser que o atual cenário político mude muito o que sinceramente eu duvido que aconteça.
Finalizando a entrevista Naatz afirma que o atual governo é imaturo o que tão pouco nos surpreende. É pena que seja assim pois muitos blumenauenses apostaram suas fichas no governo Napoleão, novamente é pena pois aparentemente todo Napoleão está fadado à derrota histórica, vejamos somente se quem paga o "marreco" é o povo, pois a vaca, esta coitada, já foi pro brejo.

5 comentários:

  1. Apontar como imaturo um governo que continuidade do JPK é no mínimo não entender que esse governo é continuidade. Pode o Naatz achar que o governo de Napoleão chegará a maturidade, nesta linha de imaginação naatziana se chegará a uma situação ainda mais complexa em que a base aliada que aprovou o aumento até então. Vem chumbo grosso por ai, a população vai viver um tempo de ter que usar o sapato 36, para o pé 27 como diz a letra o 'mágico' Raul Seixas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eis o meu medo, o medo daquilo que está ruim ficar muito pior.

      Excluir
  2. Este governo não é continuidado do JPK, eles romperam nas eleições, mas agora estão reatando de uma forma vil com esta votação do Lixo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é continuado na prática, porém ideologicamente há uma verossimilhança vertiginosa na maneira de governar, agora ocorre de fato como você falou a união política com esta "votação de lixo".

      Excluir
  3. Apertar o pé 37 no sapato 36 é uma crítica de Raul Seixas ao Governo na época militar e serve para o que está acontecendo em Blumenau. A música do governo está 'pra frente Blumenau', mas se avança no bolso do cidadão. Tudo poderá acontecer em 2014, 2016, essa inércia de avanços em políticas efetivamente necessárias e a super valorização a interesses privados distância o cidadão dos governantes, ficando claro a demagogia e vira tudo em promessas.

    ResponderExcluir