300x250 AD TOP

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Encontrado em: , ,

Trânsito - ABC Ciclovias realização ação educativa inédita com ciclistas no Maio Amarelo


Hoje (28 de maio) foi um dia especial para o Movimento Internacional Maio Amarelo em Blumenau, para os cicloativistas da ABC Ciclovias, para os ciclistas em geral e para mim também. Realizamos uma das melhores, senão a melhor ação educativa de toda a programação do Maio Amarelo: o diálogo educativo e distribuição de kits de autocuidados para ciclistas. E um dado importantíssimo: há 17 anos que não se fazia uma ação deste tipo, com uma abordagem direta com distribuição de materiais educativos. 

Foram 22 ciclistas abordados em 1 hora e meia e nenhum deles tinha dispositivos refletivos de segurança nas bikes. Outros dois se recusaram a participar da abordagem alegando pressa e outros ciclistas nós não conseguimos abordar simultaneamente. Praticamente todos voltando do trabalho.

A blitz educativa foi realizada na pracinha que fica entre as ruas João Pessoa e Marechal Deodoro entre 17h e 18h30min. Atuei mais auxiliando na abordagem para chamar os ciclistas e convidá-los a participar, deixando o diálogo e as explicações sobre a importância dos dispositivos de segurança para quem entende: o presidente da ABC Ciclovias, Giovani Seibel, e para o também cicloativista, Eldon Jung.

Sem perder tempo, prontamente, Giovani Seibel já ia instalando os dispositivos refletivos obrigatórios em cada parte das bikes e explicando aos ciclistas a necessidade deles e a diferença que fazem para pedalar de forma segura durante a noite.

O kit era formado por um exemplar do Código de Trânsito Brasileiro atualizado, um folder com dicas de segurança (estes enviados à coordenação do Maio Amarelo pelo Ministério das Cidades/Denatran/Pacto Nacional Pela Redução de Acidentes – Parada Pela Vida), um panfleto com dicas de autocuidados para exercer cada um de seus papéis no trânsito com responsabilidade, outro com dicas para evitar acidentes com animais no trânsito, além de dois elementos refletivos para o aro da bike, um para a parte frontal e outro para a traseira. Estes últimos foram doados à ABC Ciclovias pela Oceano Bikes. 

 Kit distribuído aos ciclistas
Foto: Giovani Seibel


Acostumados com a rotineira falta de atenção e de ações educativas deste tipo, muitos desconfiaram. Alguns, ao perceberem que seriam abordados, diziam que estavam com pressa, atrasados para o trabalho ou para chegar em casa. Mas, assim que eram informados de que a ação era educativa e que receberiam elementos refletivos para dar mais segurança e proteção para pedalar à noite, aí ficavam mais à vontade. 

Outros, já iam logo perguntando: “Mas, quanto vai me custar isso?”, ou “Quanto eu tenho que pagar?”.  Um deles chegou a questionar: “Sério? É de graça?” 

Completamente compreensível essas reações, pois não é todo dia que os ciclistas recebem atenção na nossa cidade, muito menos exemplares do Código de Trânsito Brasileiro e dispositivos obrigatórios de segurança para serem vistos e respeitados no trânsito. 

 Refletivos nas rodas
Foto: Giovani Seibel


Como todos sabemos, a bicicleta é um veículo (de tração humana, mas é veículo) e todo ciclista tem a obrigação de conhecer e respeitar o CTB. O problema é que a nossa sociedade ainda é pouco informada sobre os direitos e deveres dos ciclistas, pelo menos, de forma massiva, viral, como deveria ser. 

Se o ciclista é habilitado nas categorias A e B, ele passa a ter conhecimento da legislação porque frequentou um curso obrigatório de formação de condutores. Mas, e quando o ciclista não é habilitado, como é que ele vai ter acesso à legislação de trânsito que tem obrigação de conhecer se para pedalar não é necessário curso de formação? 

Pois, foi para levar informação sobre legislação, autocuidados e proteção no trânsito que fomos para a rua abordar os ciclistas e oferecer um exemplar do CTB e os dispositivos de segurança para bikes. 

Daí até o final da blitz educativa foram só elogios. “Que legal!”, “Parabéns”, “Muito obrigado” e “Continuem sempre com esse trabalho” foram só alguns dos agradecimentos que recebemos e que fizeram toda a diferença. Ver e ouvir essa reação dos ciclistas nos encheu de mais entusiasmo, de mais garra, de mais vontade de continuarmos na luta incansável por uma cidade feita para as pessoas e por uma mobilidade que proporcione conforto e segurança também para quem não utiliza o carro.

Nessa 1 hora e meia de ação educativa também ouvimos muitos relatos de ciclistas que já foram vítimas de acidentes tanto em via pública quanto nas calçadas, inclusive, porque após a poda de árvores, não se recolheu os galhos que trancaram no aro e causaram a queda do ciclista. Quedas por conta de buracos nas calçadas, no asfalto ou por conta de bocas de lobo abertas também foram algumas das queixas. 

Os ciclistas também reclamaram da falta de educação dos pedestres que os xingam e expulsam das calçadas quando tentam se proteger da falta de segurança para manterem-se na pista de rolamento numa disputa desleal por segurança entre os carros. E essa foi uma queixa unânime, mesmo por parte dos ciclistas mais experientes que pedalam desde criança e cruzam diariamente a cidade de um ponto a outro. 

Foram 22 ciclistas em 1 hora e meia e só terminamos a ação educativa porque não tínhamos mais elementos refletivos naquele momento. No entanto, já estamos alinhando novas ações educativas com ciclistas para mais adiante. Quem sabe, com doações de mais elementos refletivos, quem sabe luvas de proteção e até capacetes. Tudo vai depender de quem mais acreditar que possamos fazer a diferença e salvar vidas sobre bikes.

Quando eu digo que o Maio Amarelo é um mês para chamar a atenção para um ano inteiro de ações é porque esse é o objetivo desse movimento internacional em defesa da vida. E como coordenadora estadual do Maio Amarelo e educadora de trânsito, sigo fazendo o meu papel: apoiar e “pegar junto” em tudo o que for necessário para preservar vidas no trânsito. Parabéns, ABC Ciclovias.
 

1 comentários:

  1. Sim Márcia, bem comentado. A última ação foi há 17 anos, quando da fundação da Associação Blumenauense pró-Ciclovias, que realizou algumas blitzes por voluntariado. Desde então passaram-se dois mandatos do PT (Décio Lime), dois mandatos do PFL-PSD-PMDB (João Paulo Kleinubing) e praticamente um do PSDB (Napoleão Bernardes) e nenhuma campanha forte para ciclistas desde então. Algo que é obrigação do poder público é feito por voluntários que doam seu tempo sem receber nada por isso. Enquanto que o poder público, que é pago para isso...

    ResponderExcluir